Neurovertebral

Avanços no conhecimento médico e novos recursos tecnológicos permitem que cada vez mais condições da coluna sejam tratadas com procedimentos minimamente invasivos ou não cirúrgicos, de forma eficaz.

 

Pacientes que sofrem de problemas na coluna costumam pensar que a cirurgia é a única opção de tratamento. Em alguns casos, sim. Mas a boa notícia é que, hoje, a maioria dos casos relacionados à coluna vertebral pode ser controlada com tratamentos não cirúrgicos ou procedimentos minimamente invasivos.

Por trás das principais causas de dor crônica nas costas estão: envelhecimento, mecânica corporal inadequada, trauma e anormalidades estruturais que podem lesar a coluna, além de tumores neoplásicos. Alguns desses problemas podem desencadear outros sintomas.

Problemas na coluna geralmente requerem uma equipe especializada de profissionais de saúde para diagnosticar e tratar. O neurocirurgião treinado nessa área poderá realizar uma avaliação completa para a tomada de decisão compartilhada que pode se adequar melhor ao seu estilo de vida. Todas as etapas que envolvem a atenção à saúde do paciente nessa especialidade visam à retomada das atividades com qualidade de vida.

 

Cirurgia tradicional x procedimento minimamente invasivo

Tradicionalmente, a cirurgia da coluna é realizada como “cirurgia aberta”. Isso implica o corte do local a ser operado, com uma incisão para que o cirurgião possa visualizar e acessar a anatomia da coluna vertebral. No entanto, a tecnologia avançou ao ponto em que técnicas minimamente invasivas podem tratar cada vez mais condições da coluna.

Como a cirurgia minimamente invasiva da coluna não envolve incisões longas, a manipulação aberta dos músculos e tecidos que circundam a coluna é evitada, levando a um menor tempo operatório. Em geral, a redução da manipulação intraoperatória (durante a cirurgia) dos tecidos moles resulta em menos dor pós-operatória e uma recuperação mais rápida.

 

Abordagens cirúrgicas

Seja cirurgia aberta ou minimamente invasiva, a coluna pode ser acessada de diferentes direções. Essas direções determinam a abordagem cirúrgica a ser adotada: na chamada “abordagem anterior da coluna vertebral”, o cirurgião acessa a coluna com pequena incisão pela parte da frente do corpo, através do abdômen ou pescoço; na “abordagem posterior”, a incisão é feita nas costas; e, na “abordagem lateral”, como o nome sugere, o caminho até a coluna é feito pelo lado.

 

Procedimentos cirúrgicos frequentes

Existem várias condições que podem levar à cirurgia da coluna vertebral e os procedimentos comuns incluem:

Discectomia ou microdiscectomia: retirada da hérnia de disco, com a finalidade de remover a pressão no nervo comprimido. A microdiscectomia é um procedimento de retirada da hérnia minimamente invasivo.

Laminectomia: procedimento de descompressão, removendo placa óssea fina na parte de trás da vértebra, para aumentar o espaço dentro do canal espinhal e aliviar a pressão.

Foraminotomia: remoção de osso ou tecido no local em que as raízes nervosas se ramificam da medula espinhal e saem da coluna vertebral. Pode ser realizada por via minimamente invasiva e até mesmo por endoscopia.

Fusão da coluna vertebral: técnica cirúrgica usada para garantir a estabilidade ao unir duas vértebras, por uso de parafusos ou espaçadores de coluna.

Substituição de disco: como alternativa à fusão, o disco danificado é substituído por um artificial.

 

Cuidados com a coluna

Para a boa recuperação de tratamentos da coluna, é importante manter hábitos saudáveis. Confira algumas dicas:

Nutrição adequada: fundamental para manter o sistema imunológico trabalhando de forma sadia. Ao adotar uma dieta balanceada, contribuímos para a cicatrização, reduzindo riscos de infecção.

Manter a forma: exercitar-se para manter os músculos da coluna em forma favorece a saúde da coluna. Converse com seu médico sobre iniciar um programa de exercícios adequado à sua condição.

Controle do peso: sobrecarga corporal gera impacto na coluna, pode retardar o processo de recuperação e aumentar a dor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário